ACESSO RESTRITO
Cartão diamante vip Cartão Diamante Premium Cartão Diamante Premium Cartão Diamante Premium Cartão Diamante Premium

Por que tomar café com óleo de coco turbina o exercício

A mistura de café com óleo de coco ganhou fama por seu efeito termogênico e virou o queridinho dos famosos que gostam de malhar A mistura de óleo de coco com café ganhou adeptos por seu efeito energético e termogênico. (iStock) Provavelmente você já ouviu falar na mistura de café com óleo de coco. Se nunca ouviu, não vai demorar até que alguém que você conhece diga que toma a bebida. A fórmula é famosa por melhorar os níveis de atenção, energia, o desempenho no exercício e ainda contribuir para emagrecer. Mas, será que a mistura é tão potente assim?  De acordo com Georgia Magri, nutricionista esportiva e clínica funcional, sim, mas há ressalvas. “O óleo de coco tem uma propriedade importante para a atividade física que é fornecer energia de forma rápida e ainda preservar a massa magra. A mistura desse ingrediente com o o café é interessante porque a cafeina tem estímulo de termogênese, então a mistura acelera o metabolismo.”, explica. O óleo de coco é a principal fonte alimentar natural de triglicérides de cadeia media (TCM). “Nenhum outro alimento tem uma quantidade igual a do óleo de coco.”, afirma Isabela Pimentel, nutricionista especialista em distúrbios metabólicos e risco cardiovascular.  Ressalvas O ‘problema’, segundo Isabela, é que grande parte da gordura do óleo de coco é de ácido láurico, que tem um metabolismo duplo  – parte dele se comporta como TCM e a outra como um triglicérides de cadeia longa (TCL). “Então, quem está dentro do peso, faz atividade física e não tem colesterol alto, se beneficia porque ele fornece bastante energia de forma rápida. Mas como o ácido láurico não é totalmente oxidado no fígado e por isso pode aumentar o colesterol sanguíneo, pessoas que sedentárias, fora do peso ou com colesterol alto, não devem usar.”, diz a nutricionista. Para Georgia, a mistura também pode ser prejudicial para pessoas com gastrite ou hipoglicemia e é importante lembrar que o óleo de coco deve entrar na dieta sempre como um substituo a algum item já existente na alimentação. Caso contrário, ele pode ter um efeito oposto e até engodar, afinal, como praticamente tudo, ele também tem calorias. São nove calorias por grama. O que significa que uma colher de sobremesa – quantidade geralmente adicionada ao café – chega a 90 calorias. Bulletproof coffee Nos Estados Unidos, o cafezinho turbinado foi disseminado por Dave Asprey, um investidor em tecnologia do Vale do Silício. Batizado de bulletproof coffee, algo como “café à prova de balas”, em tradução livre para o português,  a mistura testada por ele leva também um pouquinho de manteiga. Asprey indica que a fórmula seja ingerida pela manhã como substituto do café da manhã e garante que ela irá melhorar o desempenho do cérebro, aumentar a concentração e o foco e ainda contribuir para a perda de peso. Dessa forma, o bulletproof coffee entra na moda da dieta cetogênica, baixa em carboidratos e alta em gordura, que ajuda a controlar a compulsão alimentar e também melhora a atividade cerebral. O endocrinologista Francisco Tostes concorda que a mistura funcionaria melhor em pessoas que seguem uma alimentação low carb (com baixa ingestão de carboidratos) ou uma dieta cetogênica. No entanto, ele não recomenda que ela substitua uma refeição, já que não possui todos os nutrientes necessários. Popular entre as celebridades Todos esses benefícios não passaram despercebidos e café com óleo de coco ou e o óleo sozinho já viraram os queridinhos das celebridades. A atriz Emma Stone, por exemplo, usa óleo de coco para tirar a maquiagem. Segundo as adeptas, o produto retira a make, hidrata a pele e evita possíveis irritações. ...

Leia Mais

Proteínas: conheça as diferenças entre os vários tipos

As proteínas são fundamentais para o funcionamento do nosso organismo e devem ser ingeridas diariamente para garantir uma alimentação saudável No dia a dia de consultório sempre nos deparamos com dúvidas dos pacientes e familiares sobre o consumo de dietas veganas estritas ou não. Os familiares mais jovens, mais interessados em seguir essa dieta, muitas vezes não entendem as necessidades de muito rigor na escolha de alimentos, quando adotam o comportamento vegetariano. Sabemos que em escolhas errôneas ou em desvios para alimentos vegetais sem nexo no foco de nutrientes, poderemos observar sérias deficiências de alguns nutrientes. Vamos então, discutir algumas características das proteínas, para, educar e orientar as escolhas. As proteínas são nutrientes muito importantes para nossa saúde, assim como os carboidratos e os lipídeos são denominados macronutrientes, ou seja, são fundamentais para o funcionamento do nosso organismo e devem ser ingeridos diariamente para garantir uma alimentação saudável. Além de contribuírem como fonte de energia, as proteínas fornecem aminoácidos, que são importantes para o crescimento e manutenção do organismo, atuando como material construtor e renovador. As proteínas são classificadas em dois tipos: animal e vegetal. As proteínas do tipo animal são encontradas em carnes, peixes, leite, queijos, ovos e iogurtes, já as vegetais, podem ser encontradas principalmente nos feijões, castanha e nozes, entre outros alimentos. As proteínas de origem animal possuem alto valor biológico, ou seja, possuem melhor composição de aminoácidos em relação às proteínas de origem vegetal. Essas proteínas possuem todos os aminoácidos essenciais ao organismo em quantidades adequadas para o seu crescimento e manutenção. Além de proteínas, os alimentos de origem animal fornecem vários outros nutrientes, como vitaminas do complexo B (B1, B2, B12 e niacina), vitamina A e minerais: ferro, cálcio, fósforo, zinco, magnésio, sódio e potássio. O leite e seus derivados são fontes de vitamina A, além de minerais como o cálcio e o fósforo. Os ovos também são fontes de vitaminas A e D e vitaminas do complexo B3. Na atualidade, as carnes bovinas e suínas estão sendo comparadas em relação mais próxima, ou seja, cortes como picanha, filet mignon, alcatra e outros podem ser encontrados nas duas origens. Nessa comparação, a carne suína está melhor situada nos itens relacionados à quantidade de gordura saturada, proporcionalmente com menor quantidade e nos principais minerais, como potássio, magnésio e ferro. Veja abaixo os principais nutrientes encontrados, de forma geral, nos vários tipos de proteínas de origem animal. Nutrientes Carne bovina (100g contrafilé) Carne suína (100g Lombo) Aves (Peito de frango 100g) Peixes (Salmão 100g) Queijo (minas 100g) Iogurte (Natural 100g) Proteínas (g) 24 22,6 21,5 19,3 17,4 4,1 Gorduras totais (g) 6,0 8,8 3,0 9,7 20,2 3,0 Gordura saturada (g) 2,7 3,3 1,1 2,5 11,4 1,8 Vitamina B3/ niacina (mg) 4,64 13,83 5,86 3,21 - - Ferro (mg) 1,7 0,5 0,4 0,2 0,9 - Zinco (mg) 3,2 0,9 0,7 0,3 0,3 0,4 Dessa forma, as proteínas de origem animal fornecem uma série de nutrientes fundamentais para a saúde e devem ser consumidas diariamente. Por possuírem uma quantidade significativa de gorduras saturadas, devemos dar preferência para carnes e aves em preparações assadas, grelhadas ou refogadas, para os leites, queijos e iogurtes a escolha deve privilegiar os desnatados. ...

Leia Mais



Conheça nossa empresa

Assista ao nosso vídeo institucional e conheça as soluções para seus colaboradores através do Programa de Benefícios ABRAPS. Fique sempre conectado em nossa FanPage para receber notícias, sorteios e promoções.

Escolha qual atendimento você precisa em nossa rede e agende seu horário.




É fácil e rápido agendar consultas e tirar suas duvidas! Ligue para:


REDE DE DESCONTOS

EMPRESAS PATROCINADORAS

A Abraps Saúde pensando na melhoria da qualidade de vida de seus colaboradores desenvolveu
produtos e serviços para sua empresa, conheça aqui alguns dos nossos parceiros patrocinadores:

Por que tomar café com óleo de coco turbina o exercício

A mistura de café com óleo de coco ganhou fama por seu efeito termogênico e virou o queridinho dos famosos que gostam de malhar

A mistura de óleo de coco com café ganhou adeptos por seu efeito energético e termogênico. (iStock)

Provavelmente você já ouviu falar na mistura de café com óleo de coco. Se nunca ouviu, não vai demorar até que alguém que você conhece diga que toma a bebida. A fórmula é famosa por melhorar os níveis de atenção, energia, o desempenho no exercício e ainda contribuir para emagrecer. Mas, será que a mistura é tão potente assim? 

De acordo com Georgia Magri, nutricionista esportiva e clínica funcional, sim, mas há ressalvas. “O óleo de coco tem uma propriedade importante para a atividade física que é fornecer energia de forma rápida e ainda preservar a massa magra. A mistura desse ingrediente com o o café é interessante porque a cafeina tem estímulo de termogênese, então a mistura acelera o metabolismo.”, explica.

O óleo de coco é a principal fonte alimentar natural de triglicérides de cadeia media (TCM). “Nenhum outro alimento tem uma quantidade igual a do óleo de coco.”, afirma Isabela Pimentel, nutricionista especialista em distúrbios metabólicos e risco cardiovascular. 

Ressalvas

O ‘problema’, segundo Isabela, é que grande parte da gordura do óleo de coco é de ácido láurico, que tem um metabolismo duplo  – parte dele se comporta como TCM e a outra como um triglicérides de cadeia longa (TCL). “Então, quem está dentro do peso, faz atividade física e não tem colesterol alto, se beneficia porque ele fornece bastante energia de forma rápida. Mas como o ácido láurico não é totalmente oxidado no fígado e por isso pode aumentar o colesterol sanguíneo, pessoas que sedentárias, fora do peso ou com colesterol alto, não devem usar.”, diz a nutricionista.

Para Georgia, a mistura também pode ser prejudicial para pessoas com gastrite ou hipoglicemia e é importante lembrar que o óleo de coco deve entrar na dieta sempre como um substituo a algum item já existente na alimentação. Caso contrário, ele pode ter um efeito oposto e até engodar, afinal, como praticamente tudo, ele também tem calorias. São nove calorias por grama. O que significa que uma colher de sobremesa – quantidade geralmente adicionada ao café – chega a 90 calorias.

Bulletproof coffee

Nos Estados Unidos, o cafezinho turbinado foi disseminado por Dave Asprey, um investidor em tecnologia do Vale do Silício. Batizado de bulletproof coffee, algo como “café à prova de balas”, em tradução livre para o português,  a mistura testada por ele leva também um pouquinho de manteiga. Asprey indica que a fórmula seja ingerida pela manhã como substituto do café da manhã e garante que ela irá melhorar o desempenho do cérebro, aumentar a concentração e o foco e ainda contribuir para a perda de peso.

Dessa forma, o bulletproof coffee entra na moda da dieta cetogênica, baixa em carboidratos e alta em gordura, que ajuda a controlar a compulsão alimentar e também melhora a atividade cerebral. O endocrinologista Francisco Tostes concorda que a mistura funcionaria melhor em pessoas que seguem uma alimentação low carb (com baixa ingestão de carboidratos) ou uma dieta cetogênica. No entanto, ele não recomenda que ela substitua uma refeição, já que não possui todos os nutrientes necessários.

Popular entre as celebridades

Todos esses benefícios não passaram despercebidos e café com óleo de coco ou e o óleo sozinho já viraram os queridinhos das celebridades. A atriz Emma Stone, por exemplo, usa óleo de coco para tirar a maquiagem. Segundo as adeptas, o produto retira a make, hidrata a pele e evita possíveis irritações.

Proteínas: conheça as diferenças entre os vários tipos

As proteínas são fundamentais para o funcionamento do nosso organismo e devem ser ingeridas diariamente para garantir uma alimentação saudável

No dia a dia de consultório sempre nos deparamos com dúvidas dos pacientes e familiares sobre o consumo de dietas veganas estritas ou não. Os familiares mais jovens, mais interessados em seguir essa dieta, muitas vezes não entendem as necessidades de muito rigor na escolha de alimentos, quando adotam o comportamento vegetariano. Sabemos que em escolhas errôneas ou em desvios para alimentos vegetais sem nexo no foco de nutrientes, poderemos observar sérias deficiências de alguns nutrientes.

Vamos então, discutir algumas características das proteínas, para, educar e orientar as escolhas.

As proteínas são nutrientes muito importantes para nossa saúde, assim como os carboidratos e os lipídeos são denominados macronutrientes, ou seja, são fundamentais para o funcionamento do nosso organismo e devem ser ingeridos diariamente para garantir uma alimentação saudável.

Além de contribuírem como fonte de energia, as proteínas fornecem aminoácidos, que são importantes para o crescimento e manutenção do organismo, atuando como material construtor e renovador.

As proteínas são classificadas em dois tipos: animal e vegetal. As proteínas do tipo animal são encontradas em carnes, peixes, leite, queijos, ovos e iogurtes, já as vegetais, podem ser encontradas principalmente nos feijões, castanha e nozes, entre outros alimentos.

As proteínas de origem animal possuem alto valor biológico, ou seja, possuem melhor composição de aminoácidos em relação às proteínas de origem vegetal. Essas proteínas possuem todos os aminoácidos essenciais ao organismo em quantidades adequadas para o seu crescimento e manutenção.

Além de proteínas, os alimentos de origem animal fornecem vários outros nutrientes, como vitaminas do complexo B (B1, B2, B12 e niacina), vitamina A e minerais: ferro, cálcio, fósforo, zinco, magnésio, sódio e potássio. O leite e seus derivados são fontes de vitamina A, além de minerais como o cálcio e o fósforo. Os ovos também são fontes de vitaminas A e D e vitaminas do complexo B3.

Na atualidade, as carnes bovinas e suínas estão sendo comparadas em relação mais próxima, ou seja, cortes como picanha, filet mignon, alcatra e outros podem ser encontrados nas duas origens. Nessa comparação, a carne suína está melhor situada nos itens relacionados à quantidade de gordura saturada, proporcionalmente com menor quantidade e nos principais minerais, como potássio, magnésio e ferro.

Veja abaixo os principais nutrientes encontrados, de forma geral, nos vários tipos de proteínas de origem animal.

Nutrientes Carne bovina (100g contrafilé) Carne suína (100g Lombo) Aves (Peito de frango 100g) Peixes (Salmão 100g) Queijo (minas 100g) Iogurte (Natural 100g)
Proteínas (g) 24 22,6 21,5 19,3 17,4 4,1
Gorduras totais (g) 6,0 8,8 3,0 9,7 20,2 3,0
Gordura saturada (g) 2,7 3,3 1,1 2,5 11,4 1,8
Vitamina B3/ niacina (mg) 4,64 13,83 5,86 3,21 - -
Ferro (mg) 1,7 0,5 0,4 0,2 0,9 -
Zinco (mg) 3,2 0,9 0,7 0,3 0,3 0,4

Dessa forma, as proteínas de origem animal fornecem uma série de nutrientes fundamentais para a saúde e devem ser consumidas diariamente.

Por possuírem uma quantidade significativa de gorduras saturadas, devemos dar preferência para carnes e aves em preparações assadas, grelhadas ou refogadas, para os leites, queijos e iogurtes a escolha deve privilegiar os desnatados.